Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alexandra Caracol

Artigos Educação, Textos Educação, Atividades Educação Infantil, Educação Escolar, Educação Emocional para Crianças e Adultos, Educação Infantil.

Alexandra Caracol

Artigos Educação, Textos Educação, Atividades Educação Infantil, Educação Escolar, Educação Emocional para Crianças e Adultos, Educação Infantil.

25
Jan19

A Cura pela Música (e não só...) 2 - de Alexandra Caracol

cura2.png

 

              

          Nasceu um bebé!

 

A aventura que tinha começado há 9 meses atrás chegou finalmente ao fim de uma etapa.

O momento por que todos ansiavam tinha chegado: nasceu o pequenino ser com o qual pai e mãe sonhavam conhecer e ter nos seus braços para o acariciarem sempre que quisessem.

A aprendizagem que começou a ser feita no ventre materno continua agora de uma forma mais direta, mais aproximada.

Os conselhos práticos que foram referidos no artigo (1) deste tema deverão ser seguidos para que se consiga uma evolução saudável da criança.

Convém ter atenção para o fato de todo este processo de ensino, desde a conceção, dever ser um processo de acompanhamento e desenvolvimento gradual, respeitando-se a individualidade de cada Ser, de acordo com as suas características e capacidade de retenção daquilo que lhe é ensinado.

Ao acompanharmos os nossos filhos desde a conceção estamos a antecipar a cura, ou até a atenuar sintomas que poderão existir como reflexo de alguma doença (mesmo que esta não tenha sido diagnosticada pelos médicos).

Quanto mais cedo pusermos em prática os «conselhos práticos e acessíveis a qualquer um para preparar esse novo Ser para a vida», referidos no artigo (1), mais depressa estaremos a dar aos nossos filhos instrumentos para se desenvolverem de uma forma equilibrada.

Para melhor transmitir a importância do acompanhamento precoce às nossas crianças gostaria de utilizar um testemunho verídico de uma mãe.

 

Testemunho de amor:

Ana (nome fictício) teve uma linda filha que aos 3 anos foi diagnosticada com Síndrome de Asperger.

Antes disso, a mãe apercebia-se de situações estranhas que se passavam com a criança e tentava ajudá-la a ultrapassar as dificuldades, utilizando principalmente o seu amor para a apoiar.

Ana amou aqueles olhos logo que os viu. Aliás, já amava o seu bebé mesmo antes de ter nascido.

Depois de nascer, a mãe continuou os ensinamentos que já tinha iniciado ainda quando a bebé estava no seu ventre. É que Ana acreditava que podemos ensinar a nossa sementinha logo desde que ela é semeada...

A mãe, lutadora e cheia de fé, não se importou com as evidências, apesar de, desde o início, reparar que havia um grande desequilíbrio nas diversas áreas de desenvolvimento da sua menina.

Como estratégia, começou a criar jogos simples em função do desenvolvimento da criança. Usando cartões, desenhos, canções, música ou ensinando de forma direta foi acompanhando pacientemente, dia-a-dia, o seu desenvolvimento e atenuando as suas dificuldades.

Amparou a menina nas áreas de dotação para que se mantivesse o nível já alcançado. Nas outras que, em princípio, estavam mais atrasadas para a idade do que deviam, deu atenção redobrada.

Desgastou-se, lutou, ensinou, fez aquilo que deveria ter sido feito por técnicos especializados e terapeutas. Mas fê-lo com uma grande diferença: entregou-se com muito amor!

Gradualmente, as sementes que tinham sido lançadas naquela criança foram dando frutos.

Com 9 anos foi considerada uma excelente aluna nas diversas áreas.

Existia um certo atraso na motricidade, tinha dificuldade em se relacionar, mas passava despercebida no meio dos meninos ditos «normais» que chegavam atrasados à escola, não estudavam e tinham uma série de problemas comportamentais, apesar de serem chamados de meninos «normais».

Segundo Ana, valeu a pena a luta que empreendera com amor, a entrega e o esforço, pois ainda a filha tinha pouca idade e já se conseguia antever nas atitudes e forma de estar, que poderia tornar-ser numa adulta válida para a sociedade e capaz de cuidar de si própria.

«Quem tem filhos “diferentes” sabe que esta é a nossa maior guerra: a de tornar os filhos independentes, pois um dia os pais terão que partir e o nosso galardão será tão grande quanto maior for a capacidade dos nossos filhos saberem cuidar de si próprios» – dizia Ana.

Como é que Ana conseguiu resultados tão positivos?

- Desejou o seu bebé mesmo antes de ter sido concebido;
- Percebeu que esta era uma dádiva preciosa que Deus lhe tinha confiado para educar.

- Também percebeu que os filhos não são pertença dos pais e que é um privilégio quando Deus nos confia a educação de uma criança;
- Cuidou da sua saúde, pensando no seu bem e no da criança que ia nascer;
- Logo que soube que estava grávida começou a colocar em prática aquilo que foi referido no artigo (1) sobre A Cura pela Música (e não só...);
- Mesmo nos momentos de maior desespero acreditou que podia vencer as dificuldades com a ajuda de Deus (esta é a fé positiva que nos ajuda a vencer os obstáculos);
- Estabeleceu estratégias para ensinar a filha de acordo com as suas necessidades, acompanhando sempre a sua evolução: «Como estratégia, começou a criar jogos simples em função do desenvolvimento da criança. Usando cartões, desenhos, canções, música ou ensinando de forma direta, foi acompanhando pacientemente, dia-a-dia, o seu desenvolvimento e atenuando as suas dificuldades».


Alguns exemplos concretos a utilizar desde o nascimento e durante os primeiros meses

Concordando com o que Edwin E. Gordon, em Teoria de Aprendizagem Musical para recém-nascidos e crianças em idade pré-escolar, editado pela Fundação Calouste Gulbenkian, «(...) o nosso potencial para aprender nunca é tão elevado como no momento em que se nasce, e que a partir daí diminui gradualmente. O período mais importante da aprendizagem ocorre, no entanto, desde o nascimento (ou até antes). (...) Aquilo que uma criança aprende durante estes primeiros cinco anos de vida forma os alicerces para todo o subsequente desenvolvimento educativo(...)».

Nos primeiros anos o Ser que veio ao mundo aprende as coisas do mundo que o rodeia através dos sentidos. Aquilo que os sentidos recolhem é transmitido ao cérebro que interpreta e estabelece correlações, retendo informações e o próprio conhecimento do mundo que o rodeia.

Apesar de começar logo a reter o seu próprio conhecimento, o bebé quando nasce ainda tem pouca ou quase nenhuma consciência do meio ambiente.

O instrumento mais precioso para adquirir experiências sensoriais é aquele que os pais podem proporcionar através do toque ou da satisfação das suas necessidades (mamar, sentir-se limpo, ser acariciado, ouvir a voz dos pais) sempre repleto de amor.

Quando o bebé nasce vem como que munido com diversos «botões que precisam ser abertos», ou seja, vem com capacidade para ser desenvolvido em diversas áreas, como musical, cultura geral, conceitos matemáticos, línguas, entre outras. O que acontece é que esses «botões» estão fechados, cabendo aos educadores abrir os «botões» de cada «emissora», ao longo dos primeiros anos de vida.

 

Como?

Orientando a criança de uma forma informal, não-estruturada, ou seja, proporcionando à criança contatar com a cultura em que está inserido, sem planificação e de uma forma natural e espontânea, estimulando-a através de brincadeiras, brinquedos coloridos, livros com imagens coloridas, etc.


Exemplos de como fazer com recém-nascidos:

- Segredar palavras ao ouvido do bebé;
- Imitar as caretas do bebé;
- Arranjar um brinquedo com cores vivas e movimentá-lo deixando que o bebé o siga com os olhos. Fazer o mesmo em relação a brinquedos com diferentes sons;
- Deixar o bebé ouvir muita música. Os bebés gostam muito de música desde que não esteja demasiado alta e de preferência que seja uma música calma;
- Cantar para ele. Poderá começar a cantar pequenas canções que ensinem algo construtivo.


É certo que os bebés não entendem o que lhes dizemos, mas sentem como as coisas são ditas ou feitas, através das nossas expressões faciais e das nossas atitudes.


A prática:

Comece a inventar pequenas canções para as primeiras letras do abecedário.


Exemplos:

Para o A: A, A, A, AAAAtchim

A de árvore, A de árvore

Para o B: Bola, bolinha, bola, bolinha

B de bola

Cante as mesmas melodias várias vezes ao dia e só acrescente uma nova melodia para uma nova letra, depois de já ter cantado durante vários dias a melodia anterior. É preciso dar tempo para a criança ouvir a repetição das mesmas melodias.

Com o passar do tempo compre umas letras de plásticos (maiúsculas) e associe a letra à melodia.

Por exemplo enquanto canta a melodia do «A» mostre a letra à criança, movimente-a à frente dos seus olhos, esconda-a, volte a mostrar. Quando for maior pergunte: «A onde estás?» Depois agarre no A e faça uma grande festa: «Aquiiiii!!!». Bata palmas.

O bebé vai perceber que quando a mãe diz «Aquiiiii!!!» e agarra no A, o objeto que tem na mão é um A.

Este princípio pode ser utilizado para ensinar todo o tipo de coisas a um bebé ou criança pequena.

 

Artigo de Alexandra Caracol no Jornal de Família

 

Artigo 1 em: "A Cura pela Música (e não só...) 1"

Categoria: Artigos Textos Educação Emocional Adultos

____________________________

face.pnglinkdin.pnginst.pngtwiter.pngPinteres 1.pngyoutube (1).png

Artigos Educação, Textos Educação, Atividades Educação Infantil, Educação Escolar, Educação Emocional Crianças Adultos, Recursos gratuitos

botao atividades para crianças e aulas blog Alexandra (3).png

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

©copyright

AVISO.png

Arquivo

Comentários recentes

banner Academia.pngBanner IP Instituto edagogico Alexandra Caracol.png

Artigos Educação, Textos Educação, Atividades Educação Infantil, Educação, Educação, Atividades Educação Infantil, Educação Escolar, Educação Crianças, Educação Adultos, atividades ensino básico, recursos para ensino básico, atividades ensino primário, Ensino Básico Atividades e Recursos, fichas ensino básico, Atividades ensino básico, recursos ensino básico, artigos educação crianças, artigos educação adultos, artigos educação emocional, textos educação crianças, textos educação adultos, textos educação emocional, recursos ensino, educação emocional crianças, educação emocional adultos, Aulas de piano adultos Lisboa, Aulas de piano crianças Lisboa, Aulas de violino Adultos Lisboa, Aulas de Violino Crianças Lisboa, Aulas de Música Lisboa, Escolas de Música Lisboa Preços, Aulas piano adultos Lisboa, Aulas de piano crianças Lisboa, Aulas de violino Adultos Lisboa, Aulas de Violino Crianças Lisboa, Aulas de Música Lisboa, Escolas de Música Lisboa Preços, Academias de Música Lisboa, Aulas piano Lisboa, aulas piano, aulas violino Lisboa, aulas violino, aulas piano adultos, aulas piano preços, aulas piano preços Lisboa, aulas violino preços, aulas violino preços Lisboa, escolas de musica, escolas de musica lisboa, escolas de musica, escolas de musica lisboa, aulas piano adultos, aulas piano adultos lisboa, aulas piano crianças, aulas piano lisboa Aulas de piano adultos Lisboa, Aulas de piano crianças Lisboa, Aulas de violino Adultos Lisboa, Aulas de Violino Crianças Lisboa, Aulas de Música Lisboa, Escolas de Música Lisboa Preços, Academias de Música Lisboa, Aulas piano Lisboa, aulas piano, aulas violino Lisboa, aulas violino, aulas piano adultos, aulas piano preços, aulas piano preços Lisboa, aulas violino preços, Academias de Música, Academias Música Lisboa, Aulas de violino, aulas de piano, aulas de musica, aulas de musica Lisboa, aulas de musica preços, aulas piano crianças preços, aulas piano adultos preços, aulas violino preços Lisboa, aulas violino crianças preços, aulas violino adultos preços, aprendizagem ao longo da vida, educação para adultos, cursos musica para adultos, cursos para adultos